Search
sbado, 05 de dezembro de 2020
  • :
  • :

Hidroxicloroquina não funciona em casos leves de Covid-19, diz estudo brasileiro

Hidroxicloroquina não funciona em casos leves de Covid-19, diz estudo brasileiro

Uma pesquisa liderada pelos principais hospitais privados do Brasil e publicada nesta quinta-feira (23) no The New England Journal of Medicine descobriu que o uso da hidroxicloroquina não melhorou as condições de pacientes hospitalizados com a Covid-19 que apresentavam quadros leves ou moderados.

O estudo verificou que o uso de hidroxicloroquina, sozinha ou associada com azitromicina, não mostrou efeito favorável na evolução clínica dos pacientes.

A hidroxicloroquina foi usada durante 7 dias na dose de 400 mg a cada 12 horas, e a azitromicina foi usada na dose de 500 mg a cada 24h, pelo mesmo período.

O resultado mostrou que o status clínico dos pacientes após 15 dias de pesquisa foi similar nos três grupos. Ou seja, a utilização do medicamento não promoveu melhoria na evolução clínica dos pacientes.

Além disso, efeitos adversos foram observados em pacientes que utilizaram a droga. A pesquisa mostra alterações em exames de eletrocardiograma, que indicam arritmia, foram mais frequente nos grupos que utilizaram hidroxicloroquina, com ou sem azitromicina, comparada ao grupo que recebeu apenas atendimento padrão.

Há registro também de alteração de exames que podem representar lesão hepática nos grupos que utilizaram hidroxicloroquina.

A farmacêutica EMS forneceu os medicamentos para a realização do estudo, que foi aprovado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O estudo foi feito com 667 pacientes com quadros leves ou moderados em 55 hospitais brasileiros. Por meio de sorteio, 271 pacientes receberam uma combinação de hidroxicloroquina, azitromicina e suporte clínico padrão. Outros 221 receberam apenas a hidroxicloroquina e o atendimento clínico. Além deles, um grupo de 227 pacientes, chamado de “grupo controle”, não recebeu nenhum dos medicamentos, apenas o atendimento clínico.

Denominada Coalizão Covid-19 Brasil, a aliança formada para a pesquisa tem como membros os hospitais Albert Einstein, HCor, Sírio-Libanês, Moinhos de Vento, Oswaldo Cruz e a Beneficência Portuguesa de São Paulo. Além deles, também fazem parte da coalizão o Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e a Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet). A iniciativa conduz nove estudos voltados a diferentes populações de pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Na semana passada, foi publicado um estudo americano segundo o qual a hidroxicloroquina não beneficiou pacientes não hospitalizados com sintomas leves da Covid-19 que foram tratados no início da infecção.

Uso da hidroxicloroquina

Nas últimas semanas, entidades do setor de saúde no Brasil têm se manifestado sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com Covid-19.

A Sociedade Brasileira de Infectologia considerou “urgente e necessário” que a hidroxicloroquina “seja abandonada no tratamento de qualquer fase da Covid-19”.

O presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Fernando Pigatto, divulgou nota defendendo a suspensão do uso da hidroxicloroquina em pacientes com a Covid-19.

“Milhares de vidas estão em risco. Os efeitos colaterais podem ser severos. A ciência não pode ser negligenciada. São instituições renomadas que estão alertando, mas o governo parece não se importar”, disse Pigatto.

A Associação Médica Brasileira (AMB), por sua vez, divulgou uma nota pública na qual defende a autonomia dos profissionais para receitarem a hidroxicloroquina para pacientes da Covid-19. A diretoria da entidade vê motivação política nas críticas ao fármaco e aponta risco de “legado sombrio para a medicina brasileira, caso a autonomia do médico seja restringida, como querem os que pregam a proibição da hidroxicloroquina”.

Apesar da falta de comprovação científica de eficácia em casos de Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é um defensor do uso da hidroxicloroquina no tratamento da doença, e afirmou ter usado o medicamento após seu diagnóstico.

Na semana passada, o Ministério da Saúde chegou a encaminhar um ofício à Fundação Oswaldo Cruz solicitando a divulgação da cloroquina e da hidroxicloroquina como tratamento precoce para a Covid-19, desde os primeiros dias de sintomas. No entanto, a pasta não citou nenhum estudo que embase a adoção dessa estratégia.

Em paralelo, o mesmo Ministério da Saúde afirmou na sexta-feira (17) que avaliava diariamente as novas evidências relativas ao uso da cloroquina no tratamento da Covid-19 e reconheceu que provavelmente mudará sua orientação atual.

“Estamos vendo quais são as evidências mais novas publicadas na literatura universal, então já somamos mais de 1 mil evidências em quase 70 boletins de evidências científicas, esses boletins são atualizados diariamente. E se mudará as orientações? Provavelmente sim. A ciência, ela muda dia após dia”, disse Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do ministério, em entrevista coletiva.

Fonte: CNN Brasil